Não é fácil ser Síndico

A existência de Síndico em um condomínio é obrigatória. Sem Síndico o condomínio não tem representatividade. É o Síndico que trata, pela lei, dos interesses e da administração do imóvel representando-o ativa e passivamente, exercendo a administração interna da edificação, no que respeita a sua vigência, moralidade e segurança, fazendo cumprir a convenção e o regimento interno, impondo multas estabelecidas, prestando contas à assembleia de condôminos e mantendo guardada toda a documentação relativa ao condomínio.

A pouca disponibilidade de tempo do morador, ocupado em suas tarefas e compromissos pessoais, dificultam sua atividade como síndico.

O volume de reclamações, queixas e as cobranças feitas por moradores provocam desgaste emocional e situações estressantes que faz o Síndico morador pensar duas vezes antes de aceitar a tarefa.

A vasta regulamentação do funcionamento de um condomínio, através de leis e normas – PPCI, LTIP, PCMSO/PPRA, NBR 5.674, NBR 16.280, Lei Complementar 420 e muitas outras – tornou a função de Síndico em um compromisso cada vez mais rejeitado entre os moradores de condomínios.

O crescimento do mercado imobiliário

A expansão de grandes condomínios horizontais, verticais e comerciais tem exigido pessoas qualificadas para a atuação, surgindo a figura do Síndico Profissional.

A lei nº 4.591, de 1964, que estabelece as bases para o funcionamento de um condomínio já determinava que o Síndico pode ser pessoa física ou jurídica estranha ao condomínio, remunerado ou não. Mas não se falava, na época, em Síndico Profissional.

O Novo Código Civil, de 2002, reforça essa posição, em seu Art. 1.347, definindo que a assembleia escolherá um Síndico, que poderá não ser condômino, para administrar o condomínio, por prazo não superior a dois anos, o qual poderá renovar-se.

O surgimento do Síndico Profissional foi uma exigência de mercado.

Vantagens na contratação de Síndico Profissional

A profissão de Síndico Profissional, embora ainda não seja regulamentada, já é uma realidade irreversível, estando em uma fase de formatação e aceitação, com um grande contingente de profissionais competentes e responsáveis exercendo a atividade com esmero e dedicação.

Nos condomínios onde nenhum dos condôminos queira assumir o cargo, não tem outra saída, senão contratar um Síndico Profissional.

As funções de um Síndico Profissional são as mesmas de um síndico morador, com a vantagem do Síndico Profissional, por ser um profissional e especialista na área e não ter vínculo como morador, trabalhar de forma mais direta e com isenção na tomada de decisões agindo com imparcialidade no gerenciamento de conflitos.

A disponibilidade de tempo do Síndico Profissional, por ser sua atividade principal, possibilita atenção integral aos assuntos do dia a dia do condomínio e nas relações com prestadores de serviço.

Além disso, o Síndico Profissional possui conhecimentos técnicos e legais necessários para a função.

Síndico Profissional custa caro?

Por ser um especialista na área, o condomínio com Síndico Profissional terá uma gestão mais adequada, com valorização do seu patrimônio e melhor qualidade de vida dos moradores

Sem dúvida, a manutenção do Síndico Profissional será sempre mais onerosa que a do síndico morador, mas compensada pela eficiência no trato dos problemas do condomínio e consequente redução de custos.

2 opiniões sobre “QUEM QUER SER SÍNDICO?”

  1. Devido a tantos atritos pessoais, estamos interessados em levar para a nossa próxima AGO a troca do síndico representado por morador do condomínio, por um profissional.
    Neste sentido, solicito orçamento.
    Nosso condomínio compreende 03 prédios de 4 andares, totalizando 46 moradores, possui aproximadamente 34 boxes, um zelador (serviços gerais), temos uma administradora de condomínio, nossa taxa de condomínio é de 93,50.
    Me coloco a disposição para outras informações.

    Obrigada,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *